segunda-feira, 13 de abril de 2015

THE FINAL CUT

Podemos abominar os mercados? Podemos.

Podemos achar que o chamado "orgulho nacional " se sobrepõe à "realpolitik" e que isso é popular?  Podemos.

Mas chega a um ponto em que a credibilidade das políticas, dos propósitos e do compromisso de honrar as responsabilidades se sobrepõe a tudo.

Na Grécia o choque da realidade prepara-se para falar mais alto e as falhas de pagamento vão começar.

Importa, por cá, se reconheça que, apesar dos erros, a direção politica foi determinante para que Portugal seja percebido de modo diametralmente oposto da Grécia.

sexta-feira, 10 de abril de 2015

CUIDADO COM OS IDOS DE MARÇO

A intenção de baixar os custos do trabalho para as empresas por via da baixa da parte empresarial da TSU  (desvalorização fiscal) é uma daquelas medidas que tecnicamente fazem todo o sentido como forma de aumentar a competitividade das empresas portuguesas.

Porém, do ponto de vista político, terá de ser bem desenhada sob pena de, por um lado, descapitalizar a sempre sensível Segurança Social e de, por outro, poder ressuscitar o síndroma "Robin Hood" que pôs tanta gente na rua no início da legislatura.

Dispensa-se areia na engrenagem em ano eleições e em que Portugal pode regredir para os exemplos helénicos, com o rol de desgraças associadas, caso a maioria não se renove.

EM CONTRACICLO

Numa altura em que os anúncios das proto-candidaturas se multiplicam como cogumelos a entrevista que AG em inglês escorreito  concede à Euronews e na qual se excluí da corrida presidencial surge em contraciclo com a feira de vaidades que se vive por cá.

quinta-feira, 2 de abril de 2015

ROSETA STONE ?


"Aos microfones da Antena 1, entrevistada por Maria Flor Pedroso, a presidente da Assembleia Municipal de Lisboa, Helena Roseta, admitiu que não poria de parte uma candidatura a Presidente da República “se tivesse dinheiro” para tal."